Por que dormimos?

“Por que nós dormimos?” Esse é o título do livro escrito pelo professor de neurociência na Universidade da Califórnia em Berkeley, Matthew Walker. Em seu livro, Walker discute sobre o sono, sua importância e as graves consequências advindas de, habitualmente dormir menos de 8 horas por noite.

Nesse artigo, o foco será na influência de uma boa rotina de sono para tenistas e atletas de modo geral.

Em primeiro lugar, para tirarmos o máximo dos treinos, é essencial dormir bem. Isso posto, pois durante o sono, o cérebro transfere a memória de um armazenamento de curto prazo para um armazenamento mais permanente, que faz com que nossa memória muscular seja internalizada e automatizada.

Por exemplo, de maneira simplificada trazendo para o contexto do tênis, para bater
um bom forehand, devemos fazer o split step quando o oponente está prestes a golpear, nos posicionar de lado sem tirar o olho da bola, abrir a cabeça da raquete alta, fazer contato com a bola com a raquete fazendo movimento linear e angular, e, por último, finalizar a batida com a raquete acima do ombro.

Porém, para que o seu cérebro não tenha que lembrar cada um dos passos de uma vez, a automatização trazida pelo sono é o que faz com que o passo seguinte ocorra naturalmente e de maneira fluida após o passo anterior.

Omaki Tenis Competitivo- Federer Dormindo

Obviamente, a maioria dos tenistas que já treinam há pelo menos um ou dois anos tem esses passos internalizados de maneira muito natural. Porém, quanto mais o treino for combinado com o sono, mais automática ficará a resposta do corpo ao realizar o forehand, ajudando sensivelmente no desenvolvimento do seu tênis.

Em uma entrevista com Joe Rogan, Matthew afirmou que: “A prática não leva à perfeição. Praticar e depois ter uma noite de sono é o que leva à perfeição, porque você volta no dia seguinte de 20 a 30% melhor em desempenho do que no final do treino no dia anterior.” Certo, mas então o quão importante é dormir o suficiente na noite anterior ao treino?

Dormir 6 horas ou menos reduz significativamente sua capacidade aeróbica no treino e diminui o tempo para exaustão física em 10 a 30%. Além disso, há uma queda na força muscular, na capacidade respiratória e na eficiência de eliminar suor, uma parte crítica para performance de alto nível.

Fora isso, segundo Walker, não tem melhor investimento do que o sono para reduzir o risco de lesões corporais em atletas. Isso é verdade porque o sono acelera a recuperação física de inflamações, estimula a restauração muscular e ajuda a estocar energia celular.

Portanto, se você treina tênis ou algum outro esporte, é bom você ir preparando seu alarme para ir para a cama cedo caso você queira maximizar sua memória muscular, sua performance em treinos e minimizar seu risco de ter uma lesão.

O sono te ajuda dentro e fora das quadras. Durma melhor e otimize seu tênis!

Texto escrito por Renato Prado em 30 de agosto de 2020

Sobre Carlos Omaki

Carlos Omaki é treinador de tênis há 38 anos. Uma das referências do tênis nacional, dono de duas premiações como Melhor Técnico dascategorias de base do tênis brasileiro, é proprietário da COT tendo equipes na Academia Paulistana de Tênis, Club Athlético Paulistano e Tênis Clube Paulista e com seu staff de treinadores cuida de cerca de 500 atletas na cidade de São Paulo.

Como treinador, participou não só dos começos de carreira de Luisa Stefani, mas também de Bia Haddad Maia, ex-top 60 mundial, e muitos outros.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on google

Search

Post Recentes

Categorias

newsletter

× WhatsApp